Águida Hettwer Poesia & Art
Deixarei meu verso, tatuado em seu peito...
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Aos quarenta e cinco do primeiro tempo
 
Não preciso dizer sim, mas, querendo dizer não,
É não - sem culpa mesmo. Clarificado, autêntico e vívido.
Agradar! A mim mesma de preferência,
Respeitando o que é meu e o que é do outro.
 
Sem necessidade de rodeios, entrelinhas e
Mensagem subliminar. É, preciso sublimar!
Os desafetos – em afetividade genuína
Que brota feito, água da pedra rústica e dura.
 
É... há tanta clareza no que sinto e experencio agora,
A maturidade chegou sem pressa, fazendo seresta na alma,
Brotando espantos, alardes – confusão boa!
Menos emotiva, com mais motivos a comemorar.
 
A vida é efêmera! Mas, não tanto que não possa marcar
Presença no coração daqueles, que me
permitem a honra de amá-los.

Amar, sim, amar muito, sem medidas – no sobrenatural.
 
Aos quarenta e cinco do primeiro tempo do jogo da vida,
Eternizo-me nos rabiscos que fiz - nos desafios que vivi,
Gratidão! É a palavra viva que me define pela mulher que me tornei.
 
  31/03/2019
 
 
 
Águida Hettwer
Enviado por Águida Hettwer em 01/04/2019
Alterado em 01/04/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários