Águida Hettwer Poesia & Art
Deixarei meu verso, tatuado em seu peito...
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Cura?
   Trago nas mãos empalidecidas um lápis para contornar as rimas sem métricas,
 O vazio do papel convoca-me a rabiscar um verso, não sei se é triste, ou de riso largo quer inundar. Somente sei, que por ele, deixo-me levar...
    Trago nos lábios, palavras ás vezes doces, suaves e macias, ás vezes do fel permito-me experimentar.
    Não há beleza maior, do que o encanto que trago no olhar...
    Um olhar de inocente criança, e de sapequice a saltitar. Não vejo mal algum, ás vezes desafiar. Sou pedra lapidada no tempo, rio que desagua no mar. Sou mera fagulha de esperança trazida no peito, não dispenso a alvura dos luares, descanso nas floridas sombras de um Manacá.
     Sou menina pequena, no palco da vida abre-se um cenário a rabiscar, um verso sem borda, intenso, no papel a divagar. A poesia faz-se um vício, que não pretendo me curar.

                                                                        Águida Hettwer

24/09/2016
Águida Hettwer
Enviado por Águida Hettwer em 24/09/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários