Águida Hettwer Poesia & Art
Deixarei meu verso, tatuado em seu peito...
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Exílio
Águida Hettwer
 

Em exílio recosta o som do soluço,
À tarde cinza acode meus clamores,
Enrodilhada na malha fina do silêncio,
Perambulam provando trêmulos furores.
 
Incitam a alma a clamar em arpejos,
Na estância, os anseios cantam em grilhões,
A saudade em fio de ardentes desejos
Em prantos, arreda a alma em devoções.
 
Oh! Lábios meus... Onde o riso se perdeu?
-Será na fértil primavera dos amores;
Ou nas noites dolorosas dos negrumes.
 
Restou-me apenas o gosto amargo da saudade,
A alma em desassossego, reclama em queixumes,
Cortante feito lâmina afiada de dois gumes.
 
 
10.12.2009
 
Águida Hettwer
Enviado por Águida Hettwer em 10/12/2009
Alterado em 10/12/2009
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários